Aumento nos níveis de leptina na pré-eclâmpsia provoca cascata cardiovascular que coloca a mãe e o bebê em risco

30 de junho de 2022 — Antes mesmo de um bebê nascer, problemas críticos na cadeia de suprimentos com nutrição e oxigênio podem resultar em parto prematuro ou até morte e aumentar o risco de doenças cardiovasculares ao longo da vida da criança e da mãe.

Os cientistas descobriram que um aumento no meio da gestação no hormônio leptina, que a maioria de nós associa à supressão do apetite, produz disfunção problemática dos vasos sanguíneos e restrição do crescimento do bebê na pré-eclâmpsia, colocando a mãe e o bebê em risco.

Sabe-se que cerca de 20 semanas de gravidez, as mulheres com pré-eclâmpsia experimentam um aumento na produção de leptina pela placenta, mas as consequências são desconhecidas.

“Está surgindo como um marcador de pré-eclâmpsia”, diz a Dra. Jessica Faulkner, fisiologista vascular do Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina da Geórgia e autora correspondente do estudo na revista Hypertension.

A leptina, produzida principalmente por células de gordura, também é produzida pelo órgão temporário, a placenta, que permite que a mãe forneça nutrientes e oxigênio ao bebê em desenvolvimento, diz Faulkner. Os níveis de leptina aumentam constantemente em uma gravidez saudável, mas especificamente o que a leptina está fazendo normalmente nesse cenário não está claro. Há alguma evidência de que é um sensor natural de nutrientes na reprodução ou talvez uma maneira de permitir o crescimento de novos vasos sanguíneos e/ou estimular o hormônio do crescimento para o desenvolvimento normal.

“Mas em pacientes com pré-eclâmpsia os níveis de leptina aumentam mais do que deveriam”, diz Faulkner.

A nova pesquisa que analisa o impacto mostra pela primeira vez que o aumento da leptina resulta em disfunção endotelial na qual os vasos sanguíneos se contraem, sua capacidade de relaxar é prejudicada e o crescimento do bebê é restrito.

Quando os cientistas inibiram o precursor do poderoso dilatador natural dos vasos sanguíneos óxido nítrico, como o que acontece na hipertensão, ele praticamente replica o efeito do aumento da leptina no meio da gestação.

Para piorar a situação, os cientistas também têm evidências de que a leptina desempenha um papel no aumento dos níveis da endotelina 1, constritora dos vasos sanguíneos.

Por outro lado, quando eles eliminaram o receptor de aldosterona, neste caso os receptores mineralocorticóides na superfície das células que revestem os vasos sanguíneos, a disfunção endotelial não aconteceu, diz o Dr. Eric Belin de Chantemele, fisiologista do Centro de Biologia Vascular do MCG e responsável pelo estudo. autor sênior.

“Achamos que o que está acontecendo em pacientes com pré-eclâmpsia é que a placenta não está devidamente formada”, diz Faulkner. “No meio da gestação, o crescimento fetal não está acontecendo como deveria. Acho que a placenta está compensando aumentando a produção de leptina”, potencialmente com o objetivo de ajudar a estimular um crescimento mais normal. Mas os resultados parecem ser exatamente o oposto.

“Isso pode prejudicar o desenvolvimento do bebê e aumentar o risco de problemas de saúde a longo prazo para o bebê e para a mãe”, diz ela.

Embora a leptina tenha sido associada à pré-eclâmpsia, este foi o primeiro estudo a mostrar que, quando a leptina aumenta, ela induz as características clínicas insalubres da pré-eclâmpsia, diz Belin de Chantemele.

Quando eles infundiram leptina em camundongos grávidas para imitar o surto que acontece na pré-eclâmpsia, eles viram uma reação em cadeia doentia com a glândula adrenal produzindo mais do hormônio esteróide aldosterona, que poderia estar aumentando a produção de endotelina 1, também pela placenta.

Seu trabalho anterior mostrou que fora da gravidez, uma infusão de leptina resulta em disfunção endotelial. O laboratório de Belin de Chantemele foi pioneiro no trabalho mostrando que a leptina derivada da gordura estimula diretamente as glândulas supra-renais a produzir mais aldosterona, que ativa os receptores mineralocorticóides encontrados em todo o corpo, principalmente nos vasos sanguíneos das mulheres, o que é importante para os níveis de pressão arterial. Níveis elevados de aldosterona são uma marca registrada da obesidade e uma das principais causas de problemas metabólicos e cardiovasculares.

Esse trabalho os fez levantar a hipótese de que a infusão de leptina que ocorre no meio da gestação na pré-eclâmpsia teve um impacto semelhante que a deleção dos receptores mineralocorticóides que revestem os vasos sanguíneos poderia resolver. Eles conectaram pontos fisiológicos semelhantes em mulheres jovens, nas quais a obesidade muitas vezes rouba os primeiros anos de proteção contra doenças cardiovasculares que ser mulher normalmente proporciona até a menopausa.

Esses mesmos jogadores provavelmente são fatores que aumentam o risco de problemas cardiovasculares da mãe ao longo da vida, diz Faulkner.

“Isso significa que o sistema está desregulado e é basicamente quando você desenvolve a doença”, diz ela.

Seus objetivos incluem definir melhor os caminhos para o aumento da pressão arterial e outras disfunções dos vasos sanguíneos, caminhos que podem ser direcionados durante a gravidez para evitar resultados potencialmente devastadores para a mãe e o bebê, do que Faulkner caracteriza como “uma condição de dois golpes”.

Suas descobertas até o momento indicam que terapias eficazes para proteger melhor a mãe e o bebê podem ser medicamentos existentes, como a eplerenona, um medicamento para pressão arterial que se liga ao receptor mineralocorticóide, reduzindo efetivamente o efeito de níveis mais altos de aldosterona, dizem os cientistas.

Os problemas provavelmente começam com a placenta e o fluxo sanguíneo potencialmente inadequado para o órgão temporário no início de seu desenvolvimento e a subsequente falha no desenvolvimento dos grandes vasos sanguíneos que se tornam a passagem de nutrientes e oxigênio da mãe para o bebê.

Sabe-se que na pré-eclâmpsia há problemas como diminuição da secreção do fator de crescimento placentário. A conclusão parece ser que, no meio da gestação, a placenta não pode mais sustentar adequadamente o bebê, e pode ser por isso que ela secreta leptina, possivelmente em um esforço para estimular seu próprio crescimento e desenvolvimento fetal normal, mas na realidade contribui para problemas cardiovasculares e consequências fetais, relatam os cientistas, incluindo o aumento da pressão arterial da mãe.

“Infelizmente, as taxas de pré-eclâmpsia estão aumentando”, diz Faulkner, tanto no número de mulheres grávidas afetadas quanto na gravidade. De acordo com uma análise de dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças publicados em janeiro deste ano no Journal of American Heart Association, as taxas de hipertensão que surgem durante a gravidez, incluindo pré-eclâmpsia e hipertensão gestacional, quase dobraram tanto em áreas rurais quanto áreas urbanas deste país de 2007 a 2019 e vêm se acelerando desde 2014. A hipertensão gestacional é um aumento no sangue da gestante durante a gestação, mas sem sinais associados de proteína na urina, sinal de insuficiência renal ou marcadores de disfunção placentária, como são encontrados na pré-eclâmpsia.

Os fatores de risco incluem ter mais de um feto, hipertensão arterial crônica, diabetes tipo 1 ou 2, doença renal, distúrbios autoimunes antes da gravidez, bem como o uso de fertilização in vitro. As taxas crescentes de pré-eclâmpsia são atribuídas principalmente à obesidade, que é um fator de risco para muitas dessas condições e está associada a altos níveis de aldosterona e leptina, diz Faulkner. Outras vezes, as mulheres parecem desenvolver o problema espontaneamente.

Os próximos passos da pesquisa incluem uma melhor compreensão de como e por que a leptina aumenta mais do que deveria, diz Faulkner.

Para mais informações: www.augusta.edu

Conteúdo Relacionado sobre Mulheres e Insuficiência Cardíaca:

Estudo descobre história de infertilidade ligada ao aumento do risco de insuficiência cardíaca

Diretrizes de Insuficiência Cardíaca Articular ACC, AHA, HFSA

Mulheres são mais propensas a morrer após emergência cardíaca do que homens

Conteúdo relacionado à saúde da mulher:

Diferenças sexuais no ‘relógio corporal’ podem beneficiar a saúde do coração das mulheres

Diferenças de diagnóstico na saúde do coração das mulheres

Novo conselho ajudará mulheres com defeitos cardíacos congênitos a navegar na gravidez

VÍDEO: Diferenças nas complicações cardíacas e apresentação entre homens e mulheres — Entrevista com Cindy Grines, MD

Insuficiência cardíaca relacionada à gravidez atinge mulheres negras duas vezes mais que outras raças

Imagens cardíacas revelam as raízes dos danos da pré-eclâmpsia em mulheres grávidas

Aumento acentuado dos fatores de risco cardiovascular em mulheres após pré-eclâmpsia

VÍDEO: Diferenças sexuais no diagnóstico de doenças cardíacas em mulheres — Entrevista com Doreen DeFaria Yeh, MD

VÍDEO: Como construir um centro cardíaco feminino de sucesso — Entrevista com Malissa Wood, MD

Encontre mais artigos sobre problemas cardíacos femininos no canal Women’s Cardiovascular Health